AdSense

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O QUE É SALVAÇÃO? - AUTOR: WATCHMAN NEE

O que é salvação2Watchman Nee
… [Deus] mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo. (2 Coríntios 4.6)
O que é salvação? É o irromper da luz divina. O apagar dessa luz significa perdição. Contudo, Deus resplandeceu no coração de pessoas como nós, que estavam perecendo; e a simples visão é salvação. Somos salvos tão logo vemos a glória no rosto do Salvador. Se simplesmente entendermos a doutrina e concordarmos com ela, nada acontece, pois não vimos Aquele que é a Verdade. Entretanto, tão certo como a impressão sobre um filme se segue à abertura do obturador de uma câmera fotográfica, assim é o momento em que realmente O vemos como Salvador – nesse momento inicia-se a transformação interior, e o que era para nós “a visão celestial” (At 26.19) torna-se, por sua vez, em “seu Filho revelado em mim” (Gl 1.16). Não há necessidade de lembrar-nos dessa viva experiência. Não há como esquecê-la.

(Extraído do clássico UMA MESA NO DESERTO, de Watchman Nee, a ser relançado em breve pela Editora dos Clássicos)

quarta-feira, 23 de julho de 2014

LANÇAMENTO : VIVENDO A GLÓRIA DE DEUS

VIVENDO A GLÓRIA DE DEUS

16/07/2014
“Sentir a presença de Deus”, “desfrutar de Sua glória”, “crer no poder divino” e “buscar a revelação da Palavra” são expressões que os cristãos estão acostumados a ouvir. Para muitos, porém, são palavras que não tem um significado real. A fim de que estas verdades bíblicas tornem-se concretas na vida do verdadeiro seguidor de Cristo, a Central Gospel lançou quatro obras que levarão o leitor a ter uma completa visão sobre a essência de Deus e a viver uma vida de fé, mesmo em meio às inseguranças do mundo.

Os livros A glória de DeusComo andar no poder sobrenatural de Deus e O reino de poder, de Guillermo Maldonado, e Pregando a Palavra de Deus, de Terry G. Carter, J. Scott Duvall e J. Daniel Hays, incentivam o cristão a buscar um conhecimento mais
profundo a respeito do Todo-poderoso e a não ficar somente sujeito a doutrinas e conceitos teológicos, e ensinam o leitor a transmitir a Palavra de Deus de forma verdadeira e coerente.

No livro A Glória de Deus, Guillermo Maldonado faz um alerta e exorta às igrejas a recuperarem a santidade e a fé genuína para que a obra de Deus não seja pregada em vão. Ele encoraja o leitor a buscar a transformação e a salvação para que a glória Dele seja, de fato, manifestada.

Segundo o autor, quando entramos na presença de Deus, recebemos Seu amor e graça, entendemos Seu coração, conhecemos Sua vontade e experimentamos Seu poder divino. Nesse livro, o cristão entenderá o que significa viver a glória de Deus e conhecerá a Sua graça em uma realidade vivenciada.

Outra obra que aprofundará ainda mais o relacionamento com Cristo é Como andar no poder sobrenatural de Deus. O propósito desse livro é apresentar soluções para que o cristão viva uma vida de vitória, paz e alegria ainda que o mundo pareça andar em trevas. À medida que o leitor meditar em cada mensagem deste manual de respostas, como o livro é considerado pelo autor, ele compreenderá o objetivo da morte de Jesus na cruz, de como Ele proveu cada uma das nossas necessidades por meio de Seu sacrifício, e saberá como receber um milagre e transmiti-lo a outros, de maneira sobrenatural.

O reino de poder também pode ser considerado um rico manual de aprendizado. Segundo o autor, esse é um tema simples, mas necessário de ser abordado porque muitas igrejas não o ensinam como deveriam. Nessa obra, Maldonado fala sobre a revelação de Deus através da Bíblia, a única ferramenta capaz de transformar vidas e mudar histórias.

Já em Pregando a Palavra de Deus, o foco dos autores como sugere o título do livro são as pessoas que desejam ministrar a mensagem bíblica. Nele, Terry G. Carter, J. Scott Duvall e J. Daniel Hays orientam o leitor a preparar sermões fortes e coerentes, com ênfase no aprofundamento das Escrituras Sagradas a fim de que o pregador transmita autoridade e verdade na mensagem que levará às pessoas.


Adquira agora mesmo os livros A glória de DeusComo andar no poder sobrenatural de DeusO reino de poder e Pregando a Palavra de Deus

LIVRARIA REI DOS REIS E SENHOR (11)2484-4496  GUARULHOS   SÃO PAULO

sexta-feira, 18 de julho de 2014

MINISTÉRIO PROFÉTICO NA IGREJA - AUTOR: LUCAS DE MORAES

E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres. Efésios 4-11

O dom ministerial de profetas é bastante visto nas páginas do Antigo Testamento, mas muitos duvidam de sua existência no Novo Testamento e nos dias atuais. Para muitos esse dom está morto, para outros ele está vivo mais do que nunca. Esse é um assunto tão importante que última revista da CPAD de Escola Dominical dedicou-lhe uma lição inteira.

grande verdade é que este dom ministerial ainda existe, porém de forma diferente. No Antigo Testamento o profeta não tem ligação direta com o templo como o sacerdote, atua de forma independente e é a consciência do rei e da nação. Quando o rei pensa que se tornou um deus, Deus usa o profeta para advertir o rei. Quando a nação passa a adorar imagens e falsos deuses, Deus usa o profeta para chama-lá ao arrependimento.

No Novo Testamento seguindo a evidência bíblica percebemos que ele ainda existe (Ef 4-11, At 11-26). Aqui ele atua juntamente com a igreja, debaixo da autoridade apostólica e pastoral e é função indispensável. Ele tem função de advertir a igreja sobre a sua mais intima vida com Deus. Ele mantém a igreja com foco nos céus e avisa de acontecimentos importantes que estão para vir. Igrejas sem profetas ou igrejas em que os profetas se calam tendem a ser igrejas frias e materialistas.

O dom ministerial de profeta é diferente do dom de profecia. Quem tem o dom de profecia, um vez ou outra recebe instantaneamente na mente palavras inspiradas que transmite para edificação de um pessoa ou de uma igreja. Quem é profeta está sempre conectado com Deus, enxerga aquilo que ninguém vê e sabe de muitos fatos importantes que vão acontecer na igreja antes de todo mundo. Não quer dizer que ele seja onisciente, que saiba de tudo, entretanto Deus revela a ele muita coisa e ele é mais profundo do que uma pessoa que tem o dom de profecia.

Profeta não é pra quem quer ser, é pra quem é. Profeta se é ou não é. É uma vocação que não tem para onde a pessoa correr. Veja o caso do profeta Jonas. Se você for precisa aceitar o chamado de Deus, se não for pode até pedir para ser mas não é recomendável. Lembre-se que o profeta passa por muitas perseguições. O profeta Jeremias diz que passava por muitas perseguições e que só não parava de exercer seu ofício por que seu coração ardia como fogo quando ele pensava em parar, ele não consegui se calar (Jr 20-9).

Além de profetas, a Bíblia fala de jovens profetas. Joel profetizou que nos últimos dias Deus levantaria uma geração de jovens profetas ou de pelo menos com dom de profecia (Joel 2-28). Se hoje muitos jovens não querem saber de Deus, uma parte está separada para ele para fazer a diferença nessa terra.

É importante ressaltar, como demonstrado, que o profeta deve ser obediente ao pastor e a Deus. Muitos profetas não estão ligados a igreja, não obedecem pastores e costumam dar mal exemplo enganando pessoas e cometendo todo tipo de pecado. Visam o lucro e não cumprir sua incumbência profética genuinamente (2 Co. 2-17). Esses são os chamados falsos profetas.

Eles são identificados pelos seus frutos (Mt 7-16), ou seja, pelas seus atitudes no decorrer do ministério. Mentem, enganam, roubam, se prostituem, se aproveitam e não tem temor de Deus. Tome cuidado comeles, principalmente quando estiver passando por um problema pois eles se aproveitam disso. Que Deus possa te levantar não para ser um falso profeta, mas um verdadeiro profeta para mudar essa nação!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

A Diferença Entre Adivinhações e Profecias Bíblicas - Norbert Lieth

A Diferença Entre Adivinhações e Profecias Bíblicas

Norbert Lieth
"Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração" (2 Pe 1.19).
Profecias bíblicas se cumprem sempre, sem exceção. Por isso podemos ter absoluta confiança nelas. Mas quem confia em adivinhações está perdido!
Só uma coisa é certa a respeito das adivinhações de videntes, astrólogos e cartomantes: a cada ano se repete o fiasco da falha do seu cumprimento! Praticamente todas as previsões para 2003 foram falsas. O "Comitê Para a Investigação Científica das Alegações dos Paranormais" na Alemanha comparou 100 prognósticos com a realidade e verificou que as explicações posteriores dos adivinhos são completamente contraditórias em relação às previsões feitas. Muitos de seus prognósticos são formulados de maneira tão vaga que o exercício da futurologia nem se faz necessário, pois qualquer um de nós poderia fazer previsões semelhantes usando simplesmente a lógica e o bom senso. As previsões são tão genéricas que acabam acertando em algum detalhe. Dois exemplos: em dezembro de 2002 um astrólogo previu "iminente risco de guerra" para o Iraque.[1] O matemático Michael Kunkel (de Mainz/Alemanha), observou que uma declaração dessas, naquela época, equivalia a afirmar que o sol iria nascer na manhã seguinte. Relativamente a Israel, um dos prognósticos para este ano dizia: "Depois de sérios distúrbios, existe a tendência de que no final de 2004 haja um acordo de paz satisfatório, de modo a que ambas as partes tenham interesse em cumpri-lo". É quase impossível falar de maneira mais genérica. Mas é interessante observar como as pessoas, que nada querem saber da Bíblia, são enganadas rotineiramente e dão ouvidos a esse tipo de "profecia" vaga e superficial.
A adivinhação do futuro pode envolver puro e simples engano visando o lucro fácil. Por outro lado, além do interesse financeiro, a astrologia, por exemplo, tem origem espírita e ocultista, diretamente inspirada por Satanás e seus demônios. Seja como for, ela sempre é mentirosa, pecaminosa e de origem diabólica. O reformador Martim Lutero declarou, com razão: "O Diabo também sabe profetizar – e mente ao fazê-lo".
Em Deuteronômio 18.9-11 está escrito: "Quando entrares na terra que o Senhor, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos". A Bíblia com Anotações de Scofield comenta a respeito:
As oito práticas anatematizadas para determinação do futuro são estas: 1. do adivinhador – os métodos são apresentados em Ez 21.21; 2. do prognosticador – possivelmente referindo-se à feitiçaria ou astrologia; 3. do agoureiro – aquele que usa prognósticos; 4. do feiticeiro – aquele que faz uso da magia, de fórmulas ou encantamentos; 5. dos encantadores – Sl 58.4-5; 6. de quem consulta um espírito adivinhante – veja o número 7; 7. do mágico, geralmente usado com o número 6 – Is 8.19 descreve a prática; e 8. do necromante – aquele que procura interrogar os mortos. Duas coisas precisam ser mantidas em mente: 1) este mandamento tinha aplicações específicas a Israel que estava entrando na terra; foram feitas para preservar os israelitas das abominações dos seus predecessores (vv. 9, 12 e 14) e 2) para se perceber claramente o contraste entre esses falsos profetas e os profetas como Moisés (vv. 15-19).

Profecia bíblica

Vejamos as principais diferenças entre adivinhação e profecia bíblica:
  • A adivinhação faz afirmações vagas e genéricas e não esclarece os fatos. A profecia bíblica é a história escrita antes que aconteça. Ela parte do próprio Deus Todo-Poderoso, que tem uma visão panorâmica das eras e as estabeleceu em Seu plano divino. O profeta Isaías O engrandece: "" Senhor, tu és o meu Deus; exaltar-te-ei a ti e louvarei o teu nome, porque tens feito maravilhas e tens executado os teus conselhos antigos, fiéis e verdadeiros" (Is 25.1). O próprio Senhor afirma: "lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade" (Is 46.9-10).
  • A adivinhação interpreta algum tipo de sinal. A profecia bíblica não depende da nossa interpretação, mas se sustenta exclusivamente em sua própria realização.
  • As previsões de astrólogos são especulativas e deixam margem para muitas interpretações. A profecia bíblica acerta em 100% dos casos.
  • O apóstolo Pedro escreve: "Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade" (2 Pe 1.16).
Tim LaHaye e Thomas Ice afirmam:
Falsas religiões e idéias supersticiosas baseiam-se em fábulas engenhosamente inventadas, mas a fé cristã está fundamentada na auto-revelação do próprio Deus aos homens, da forma como a encontramos na Bíblia. Além disso, Pedro designa a profecia bíblica como "palavra profética" e diz: "...fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso..." (2 Pe 1.19). Por que podemos depositar toda a nossa confiança na palavra profética? Porque a profecia bíblica, segundo a conclusão de Pedro, não é a explicação humana dos acontecimentos históricos: "sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo" (2 Pe 1.20-21).Tendo a profecia, os cristãos possuem um resumo do plano divino para o futuro. Além disso, como centenas de profecias já se cumpriram literalmente – a maioria delas relacionadas à primeira vinda de Cristo – sabemos que todas as promessas em relação ao futuro também se cumprirão integralmente nos tempos finais e por ocasião da volta de Cristo".[2]
  • Adivinhação e interpretação de sinais são baseados em mentiras, enquanto a profecia divina é a mais absoluta verdade. Balaão era um "agoureiro" (Nm 24.1) que Balaque, rei dos moabitas, queria usar para amaldiçoar Israel (Nm 23-24). E justamente esse adivinhador foi obrigado a reconhecer: "Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?" (Nm 23.19).
  • A Bíblia contém 6.408 versículos com declarações proféticas, das quais 3.268 já se cumpriram. Não se sabe de nenhum caso em que uma profecia bíblica tivesse se cumprido de forma diferente da profetizada. Esses números equivalem à chance de que ao jogar-se 1.264 dados, todos caiam, sem exceção, com o número 6 para cima. Essa probabilidade é tão pequena que exclui toda e qualquer obra do acaso.[3]
  • Conforme o Dr. Roger Liebi, 330 profecias extremamente exatas e específicas referentes ao Messias sofredor se cumpriram literalmente por ocasião da primeira vinda de Cristo.
Dessa abundância de profecias relacionadas ao nascimento, à vida e à morte de Jesus, destacamos apenas o exemplo do Salmo 22.16-17: "...traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos..." Não há dúvida de que essa passagem fala da crucificação, pois o sofrimento descrito pelo salmista só acontece nesse tipo de morte. Entre os judeus a crucificação jamais foi uma forma de execução de condenados à morte e ainda não era conhecida quando o salmo foi escrito. Bem mais tarde os romanos copiaram dos cartagineses a pena de morte por crucificação. Portanto, seria muito mais lógico se o salmista tivesse descrito a morte por apedrejamento ou pela espada. Numa época tão remota (1000 a.C.), por que ele falou da morte pela cruz, completamente desconhecida dos judeus? A resposta é que o salmista, inspirado pelo Espírito de Deus, era um profeta e apontava a morte futura de Jesus.
  • A adivinhação cria confusão mental, turva a visão para a verdade bíblica e bloqueia a disposição das pessoas de crerem no Evangelho de Jesus Cristo. Ela embota seus sentidos, prendê-as a falsos ensinos e torna-as inseguras em suas decisões. A profecia divina, entretanto, liberta e dá segurança. Por isso todos deveriam seguir o conselho de Deus: "Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei. Ouvi-me vós..." (Is 46.11b-12a).
  • Qualquer pessoa que crê em Jesus Cristo e confia sua vida a Ele tem um futuro seguro e não precisa ter medo de nada. Quem se entrega a Jesus passa a viver sob a bênção da profecia encontrada em João 14.3: "E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também".

domingo, 6 de julho de 2014

A VERDADEIRA ADORAÇÃO - CONFORME O SALMO 50

A Verdadeira Adoração - Conforme o Salmo 50

Samuel Rindlisbacher
“Invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás” (Sl 50.15).
Muitos conhecem essa passagem popular do Salmo 50, mas seu contexto na Bíblia merece ser levado em consideração. O tema central do Salmo 50 é a adoração verdadeira a Deus, o legítimo louvor ao Senhor, o louvor que Lhe é agradável.

A verdadeira adoração na Criação

Adoração verdadeira começa com a Criação: “Fala o Poderoso, o Senhor Deus, e chama a terra desde o Levante até o Poente” (v.1). A real finalidade da Criação é louvar a Deus. É o que nos diz o Salmo 19.1: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos”.

A verdadeira adoração revela a grandeza e a glória de Deus

“Desde Sião, excelência de formosura, resplandece Deus. Vem o nosso Deus e não guarda silêncio; perante ele arde um fogo devorador, ao seu redor esbraveja grande tormenta” (vv.2-3).
“Conheço todas as aves dos montes, e são meus todos os animais que pululam no campo” (Salmo 50.11).
A verdadeira adoração sempre inclui e exprime a grandeza e a glória de Deus. Isso pode ser observado nas ocasiões em que Deus revelou-se aos homens de forma direta, em uma teofania. Quando o Senhor encontrou-se com Moisés, lemos: “Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus” (Êx 3.6). Isaías clama: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!” (Is 6.5). Elias “envolveu o rosto no seu manto” (1 Rs 19.13). Paulo caiu por terra e“tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça?” (At 9.6, Almeida Revista e Corrigida). Vemos, portanto, que a adoração verdadeira sempre tem a Deus como objeto, o que condiciona Seus adoradores a um legítimo temor diante da Sua santidade e a um estilo de vida santificado.

A adoração falsa

É justamente a falta de uma vida adequada do Seu povo que leva o Senhor a lamentar profundamente e a anunciar o juízo, como lemos no Salmo 50: “Intima os céus lá em cima e a terra, para julgar o seu povo. ‘Congregai os meus santos, os que comigo fizeram aliança por meio de sacrifícios’. Os céus anunciam a sua justiça, porque é o próprio Deus que julga” (vv.4-6).
Deus toma os céus e a terra por testemunhas e lembra ao Seu povo a aliança que firmou com ele, mas vê-se obrigado a acusar Israel, falando em julgamento. É uma acusação contra os rituais exteriores e vazios, ao culto sem conteúdo. Fazendo a aplicação aos nossos dias, Deus lamenta um cristianismo sem Cristo!
“Escuta, povo meu, e eu falarei; ó Israel, e eu testemunharei contra ti. Eu sou Deus, o teu Deus. Não te repreendo pelos teus sacrifícios, nem pelos teus holocaustos continuamente perante mim. De tua casa não aceitarei novilhos, nem bodes, dos teus apriscos. Pois são meus todos os animais do bosque e as alimárias aos milhares sobre as montanhas. Conheço todas as aves dos montes, e são meus todos os animais que pululam no campo. Se eu tivesse fome, não to diria, pois o mundo é meu e quanto nele se contém. Acaso, como eu carne de touros? Ou bebo sangue de cabritos?” (vv.7-13).
Deus volta-se contra a forma de culto apenas exterior, contra uma adoração sem conteúdo bíblico. Hoje, em muitas igrejas a adoração transformou-se em show, em ativismo piedoso sem ligação com o próprio Senhor. Em Israel, na época em que foi escrito o Salmo 50, acontecia o mesmo, e essa realidade está retratada por Isaías em seu lamento: “O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu” (Is 29.13).

Adoração verdadeira é uma questão do coração

Em meio a esse formalismo no culto ao Senhor, Ele conclama Seu povo: “Oferece a Deus sacrifícios de ações de graças e cumpre os teus votos para com o Altíssimo” (v.14).Comprometa-se com Deus! Aí, sim, a maravilhosa e conhecida promessa do Salmo 50 repousará sobre os que adoram a Deus: “Invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás”.

Uma falsa concepção de Deus

Hoje, em muitas igrejas a adoração transformou-se em show, em ativismo piedoso sem ligação com o próprio Senhor.
Deus repreende a trágica rebelião de Seu povo: “Mas ao ímpio diz Deus: De que te serve repetires os meus preceitos e teres nos lábios a minha aliança, uma vez que aborreces a disciplina e rejeitas as minhas palavras? Se vês um ladrão, tu te comprazes nele e aos adúlteros te associas. Soltas a boca para o mal, e a tua língua trama enganos. Sentas-te para falar contra teu irmão e difamas o filho de tua mãe” (vv.16-20).
Rebaixamos Deus ao mesmo nível em que nos encontramos. Muitos cristãos, quando exortados por seu comportamento errado, têm pronta a resposta: “Eu acho que estou certo, não vejo problemas com isso”. Mas, ao mesmo tempo em que se defendem, admiram-se que Deus não os ouve, agindo igual a Israel no passado. Deus, porém, não pode ouvi-los! Deixaram de considerar que Deus condicionou Suas promessas a certos requisitos.
“Tens feito estas coisas, e eu me calei; pensavas que eu era teu igual; mas eu te argüirei e porei tudo à tua vista” (v.21). Chamamo-nos de cristãos mesmo tendo fabricado um Deus que não corresponde ao Deus da Bíblia, um Deus que espelha nossa própria imaginação e reflete nossos desejos pessoais. Portanto, não devemos nos admirar quando Deus se cala! A causa não está nEle; está em nós. “Considerai, pois, nisto, vós que vos esqueceis de Deus, para que não vos despedace, sem haver quem vos livre” (v.22). Apesar de todo o ativismo religioso, Israel esqueceu-se de Deus. Talvez nós também O esquecemos muitas vezes. Por isso, Ele se cala. Assim, não podemos ouvir Sua voz.

A verdadeira adoração está alinhada com a Palavra de Deus

O Salmo 50 também nos apresenta a solução do problema do silêncio divino. Esta se encontra em nos conscientizarmos do que é a verdadeira adoração a Deus, que é um retorno àquilo que está descrito no versículo 23: “O que me oferece sacrifício de ações de graças, esse me glorificará; e ao que prepara o seu caminho, dar-lhe-ei que veja a salvação de Deus”.
As ações de graças que agradam a Deus começam quando direcionamos nossos caminhos a partir da verdade revelada por Ele em Sua Palavra, quando passamos a viver conforme a Bíblia.
As ações de graças que agradam a Deus começam quando direcionamos nossos caminhos a partir da verdade revelada por Ele em Sua Palavra, quando passamos a viver conforme a Bíblia. Adoração verdadeira diz: “Pai, não a minha, mas a Tua vontade seja feita. Eu Te agradeço, independentemente dos caminhos pelos quais Tu me conduzes. Muito obrigado por Teus pensamentos serem pensamentos de paz a meu respeito, mesmo que eu não conheça o caminho por onde me levas. Agradeço por me guiares e por teres garantido me levar ao alvo”.

Três princípios da verdadeira adoração

Mateus 8.1-8 exemplifica uma oração que agrada ao Senhor. Esses versículos relatam dois milagres da graça de Deus: “Ora, descendo ele do monte, grandes multidões o seguiram. E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra” (vv.1-3).
“Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião, implorando: Senhor, o meu criado jaz em casa, de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. Jesus lhe disse: Eu irei curá-lo. Mas o centurião respondeu: Senhor, não sou digno de que entres em minha casa; mas apenas manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado” (vv.5-8).
Aqui encontramos três princípios da oração legítima. A fé declara: “Senhor, Tu podes!” O temor a Deus complementa: “Se Tu quiseres”. E a humildade acrescenta: “Não sou digno!”

A verdadeira adoração diz “sim” aos caminhos de Deus

Deus quer que oremos. E Ele quer atender nossas orações. Mas isso requer obediência à Sua Palavra e um estilo de vida santificado.
Quando buscamos o Senhor, não devemos esquecer que, independente da forma com que o Senhor nos responde, o Nome do Senhor deve ser exaltado acima e antes de tudo. Sabemos muito bem que o Senhor faz milagres ainda hoje. Mas Deus nem sempre responde nossas orações da forma que gostaríamos. Essa situação é descrita em Atos 12. Tanto Tiago (vv.1-2) como Pedro (vv.3ss.) estavam na prisão. Os irmãos haviam orado intensamente pelos dois. Ambos sabiam estar sob a proteção e o abrigo do Senhor. Para um deles, Tiago, Deus disse:“Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor” (Mt 25.21). Tiago foi decapitado. Ao outro, Pedro, foi dada a incumbência: “Vá para a vinha, pois a colheita está madura!” E Pedro saiu milagrosamente da prisão para ir trabalhar na seara do Mestre. As duas possibilidades são caminhos de Deus! Será que concordamos sempre quando Deus nos dirige, seja da forma que for?

Deus ouve a adoração verdadeira

Deus quer que oremos. E Ele quer atender nossas orações. Mas isso requer obediência à Sua Palavra e um estilo de vida santificado. Sabendo que Ele escuta e responde, podemos deixar a decisão da resposta com Ele, na certeza de que está sempre certo, independentemente da solução que nos proporcionar. A esse respeito, Deus diz: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais” (Jr 29.11).