AdSense

terça-feira, 14 de junho de 2016

Na boca do tolo...

Provérbios 14:3





Na boca do tolo está a vara da soberba, mas os lábios do sábio preservá-lo-ão.




Existem dois extremos de linguajar - o arrogante e o agradável. Todo tipo de linguajar se encaixa em algum ponto entre estes dois extremos. Onde encaixa o seu? O seu linguajar tende ao agradável e ao bom? Ou ele tende àquele modo arrogante e agressivo? Existem consequências a serem pagas pelo seu linguajar. O linguajar ofensivo e arrogante traz punição e problemas; o linguajar discreto e agradável traz bênçãos e segurança.


Como você usa a sua língua, uma das coisas mais difíceis de governar, ditará como você será tratado em vida. Tanto a morte quanto a vida estão no poder da língua, e se você se permite falar, você receberá um ou o outro resultado (Pv 18:21). Salomão, repetidas vezes, advertiu a respeito das consequências do seu linguajar (Pv 10:20,31; 15:2; 21:23; 26:28; Ec 10:12-14).


O que é esta vara de orgulho nas bocas dos tolos? É uma metáfora que descreve como o linguajar orgulhoso de um tolo fere os outros e a si mesmo. Sua língua se torna uma arma que produz dor (Jó 5:21; Tg 3:9-12). Um tolo não consegue controlar o seu linguajar orgulhoso, e isto causa muita dor aos outros e a si mesmo por onde anda (Pv 12:18; 13:10; 14:16; 18:6-7,21; 21:24; 28:25; 29:20).


Mas um homem sábio é preservado e honrado pelo mesmo membro do corpo! Ele usa o linguajar para o bem dos outros e eles o amam por isso (Pv 15:4,23; 24:26; 25:11-12). Seu modo de falar agradável e bondoso ganha a benção e o favor dos outros (Pv 11:16; 22:11; 31:26). Ele preserva a sua alma de muitas tristezas ao tratar os outros com sabedoria (Pv 6:1-5; 12:13; 15:1; 18:7).


Você sabe em que ponto a sua maneira de falar se situa entre a arrogância e a graça? Considerando que o seu coração é enganoso acima de todas as coisas, você é um juiz fraco (Jr 17:9; Sl 19:12). Considerando que os homens tendem a desculpar as suas próprias faltas, você tem que aceitar o julgamento dos outros. Os outros o consideram mordaz, agressivo, orgulhoso ou sarcástico? Ou eles o consideram afável, bondoso, edificante ou humilde? Você deve esmagar até o cheiro de orgulho em seu coração para que possa ter um linguajar aceitável (Pv 16:5).


A palavra de Deus aqui é clara. O modo de falar corrupto deve ser substituído por um linguajar gracioso e edificante (Ef 4:29). Amargura, ira, raiva, grito, falar mal e maliciosamente devem ser substituídos por bondade, sensibilidade e perdão (Ef 4:31-32). Seu modo de falar deve ser sempre agradável, abrindo espaço apenas para um pouco de sal no tempero (Cl 4:6).


O Senhor Jesus Cristo falou com a graça mais pura já ouvida (Sl 45:2; Lc 4:22). Até mesmo os oficiais enviados pelos judeus para prenderem a Jesus não podiam acreditar no Seu excelente modo de falar (Jo 7:45-46). A sabedoria celestial é distintamente diferente da sabedoria do inferno e os dois tipos são evidenciados no coração, na atitude e no falar dos homens (Tg 3:14-18).