AdSense

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Como não ir ao inferno


Não ir ao inferno é mais fácil do que você pensa. Algumas pessoas acreditam que têm que obedecer os dez mandamentos pela vida inteira para não ir para o inferno. Outras pessoas acreditam que devem observar certos rituais a fim de não ir para o inferno. Algumas pessoas acreditam que não há nenhuma maneira que nós podemos saber com certeza se vamos ou não para o inferno. Nenhuma destas concepções são corretas. A Bíblia é muito clara sobre como uma pessoa pode evitar ir ao inferno depois da morte.

A Bíblia descreve o inferno como um lugar terrível e assustador. O inferno é descrito como um “fogo eterno” (Mateus 25:41), “fogo que nunca se apagará” (Mateus 3:12), “vergonha e desprezo eterno” (Daniel 12:2), um lugar onde “o fogo nunca se apaga” (Marcos 9:44-49) e “eterna perdição” (2 Tessalonicenses 1:9). Apocalipse 20:10 descreve o inferno como um “lago de fogo e enxofre”, onde os perversos são “atormentados para todo o sempre”. Por essas passagens, é bem claro que o inferno é um lugar que devemos evitar.

Por que o inferno existe e por que é que Deus envia algumas pessoas para lá? A Bíblia nos diz que Deus “preparou” o inferno para o diabo e os anjos caídos depois de terem se rebelado contra Ele (Mateus 25:41). Aqueles que rejeitam a oferta do perdão de Deus sofrerão o mesmo destino eterno que o diabo e os anjos caídos. Por que o inferno é necessário? Todo pecado é, no final das contas, contra Deus (Salmos 51:4), e uma vez que Deus é infinito e eterno, somente uma pena infinita e eterna é suficiente. O inferno é o lugar onde as demandas de um Deus santo e justo são realizadas. O inferno é onde Deus condena o pecado e todos aqueles que O rejeitam. A Bíblia deixa claro que todos nós pecamos (Eclesiastes 7:20, Romanos 3:10-23), então, como resultado, todos nós merecemos ir para o inferno.

Assim, como podemos não ir para o inferno? Uma vez que apenas uma pena infinita e eterna é suficiente, um preço infinito e eterno deve ser pago. Deus tornou-se um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo. Em Jesus Cristo, Deus habitou entre nós, nos ensinou e nos curou - mas essas coisas não foram a Sua missão principal. Deus se tornou um ser humano (João 1:1, 14) para que Ele pudesse morrer por nós. Jesus, Deus em forma humana, morreu na cruz. Como Deus, Sua morte foi de valor infinito e eterno, pagando o preço total pelo pecado (1 João 2:2). Deus nos convida a receber Jesus Cristo como Salvador, aceitando Sua morte como o pleno e justo pagamento pelos nossos pecados. Deus promete que todo aquele que crê em Jesus (João 3:16), confiando somente nEle como o Salvador (João 14:6), será salvo, ou seja, não irá para o inferno.

Deus não quer que ninguém vá para o inferno (2 Pedro 3:9). É por isso que Deus fez o sacrifício supremo, perfeito e suficiente a nosso favor. Se você não quiser ir para o inferno, receba Jesus como o seu Salvador. É um processo muito simples. Diga a Deus que você reconhece que é um pecador e que merece ir para o inferno. Diga a Deus que você está confiando em Jesus Cristo como o seu Salvador. Agradeça a Deus por providenciar pela sua salvação e libertação do inferno. Através de fé simples, quer dizer, confiando em Jesus Cristo como Salvador, é como você pode evitar ir para o inferno!

segunda-feira, 28 de maio de 2018

A oração de salvação


Muitas pessoas perguntam: "Existe uma oração que eu possa orar para alcançar a minha salvação?" Ao considerar esta pergunta, é importante lembrar-se de que a salvação não é recebida através da repetição de uma oração ou certas palavras. A Bíblia não registra em nenhum lugar uma pessoa recebendo salvação por orar. Fazer uma oração não é o meio bíblico de salvação.

O método bíblico de salvação é acreditar em Jesus. João 3:16 diz: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Salvação é adquirida através da fé (Efésios 2:8), ao receber Jesus como Salvador (João 1:12) e ao confiar plenamente nEle (João 14:6; Atos 4:12) – não por repetir uma oração.

A mensagem bíblica de salvação é simples, clara e surpreendente ao mesmo tempo. Todos nós temos pecado contra Deus (Romanos 3:23). Não há um sequer que tenha vivido uma vida inteira sem pecar (Eclesiastes 7:20). Por causa de nosso pecado, merecemos o julgamento de Deus (Romanos 6:23), e esse julgamento é a morte física seguida da morte espiritual. Por causa de nosso pecado e seu castigo merecido, não há nada que possamos fazer por conta própria para nos justificar diante de Deus. Como um resultado do Seu amor por nós, Deus tornou-se um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo.

Jesus viveu uma vida perfeita e sempre ensinou a verdade. Entretanto, a humanidade rejeitou Jesus e O pôs a morrer na cruz. Jesus morreu em nosso lugar através daquele ato horrível. Jesus levou sobre si o peso e julgamento do pecado, e morreu por nós (2 Coríntios 5:21). Jesus então ressuscitou dos mortos (1 Coríntios 15), provando que Seu pagamento pelo pecado era suficiente, e que Ele tinha vencido o pecado e a morte. Como um resultado do sacrifício de Jesus, Deus nos oferece salvação como um presente. Deus nos convida a transformar nossas mentes sobre Jesus (Atos 17:30), e a recebê-lO como o pagamento completo por nossos pecados (1 João 2:2). Salvação só é alcançada quando recebemos o presente que Deus nos oferece, não por simplesmente fazer uma oração.

Agora, isso não quer dizer que oração não possa fazer parte do processo de receber a salvação. Se você entende o Evangelho, acredita na sua veracidade e aceitou Jesus como o seu Salvador - é bom e apropriado expressar sua fé a Deus em oração. Comunicar-se com Deus através de oração pode ser um meio de progredir de simplesmente aceitar os fatos sobre Jesus como verdadeiros a plenamente confiar em Jesus como o Salvador. A oração pode fazer parte do ato de colocar a sua fé apenas em Jesus para a salvação.

No entanto, é muito importante que você não baseie sua salvação em simplesmente ter feito uma oração. O ato de simplesmente orar não pode salvá-lo! Se você quiser receber a salvação disponível através de Jesus, coloque sua fé nEle. Confie plenamente em Sua morte como o sacrifício suficiente para pagar pelos seus pecados. Dependa dEle completamente como o seu Salvador. Esse é o método bíblico de salvação. Se você recebeu Jesus como seu Salvador, então comunique-se com Deus através de uma oração. Diga a Deus o quão agradecido você é por Jesus. Louve a Deus por Seu amor e sacrifício. Agradeça a Jesus por ter morrido por seus pecados e por ter lhe providenciado a salvação. Essa é a conexão bíblica entre a salvação e a oração!

quinta-feira, 24 de maio de 2018

As 10 pragas do Egito


Estas terríveis visitações tiveram por fim levar Faraó a reconhecer e a confessar que o Deus dos hebreus era supremo, estando o Seu poder acima da nação mais poderosa que era então o Egito (Êx 9.16 - 1 Sm 4.8, etc.) cujos habitantes deviam ser julgados pela sua crueldade e grosseira idolatria. 1: A conversão do Nilo em sangue. os egípcios tributavam honras divinas ao rio Nilo, e reverenciavam-no como o primeiro dos seus deuses. Diziam que ele era o rival do céu, visto como regava a terra sem o auxílio de nuvens e de chuva. o fato de se tornar em sangue a água do sagrado rio, durante sete dias, era uma calamidade, que foi causa de consternação e terror (Êx 7.14 e seguintes). 2: A praga das rãs. Na praga das rãs foi o próprio rio sagrado um ativo instrumento de castigo, juntamente com outros dos seus deuses. A rã era um animal consagrado ao Sol, sendo considerada um emblema de divina inspiração nas suas intumescências. o repentino desaparecimento da praga foi uma prova tão forte do poder de Deus, como o seu aparecimento. (Êx 8.1 e seg.). 3: Piolhos. A praga dos piolhos foi particularmente uma coisa horrorosa para o povo egípcio, tão escrupulosamente asseado e limpo. Dum modo especial os sacerdotes rapavam o pelo de todo o corpo de três em três dias, a fim de que nenhum parasita pudesse permanecer neles, enquanto serviam os seus deuses. Esta praga abalou os próprios magos, pois que, em conseqüência da pequenez desses insetos, eles não podiam produzi-los pela ligeireza de mãos, sendo obrigados a confessar que estava ali o ‘dedo de Deus’ (Êx 8.19).4: Moscas. As três primeiras pragas sofreram-nas os egípcios juntamente com os israelitas, mas por ocasião da quarta separou Deus, de um modo especial, dos seus opressores, o povo que tinha escolhido (Êx 8.20 a 23). Este milagre seria, em parte, contra os sagrados escaravelhos, adorados no Egito. *veja Peste no gado. 5: praga se declarou no dia seguinte, em conformidade com a determinação divina (Êx 9.1 e seguintes). outra vez é feita uma distinção entre os egípcios e os seus cativos. o gado dos primeiros é inteiramente destruído, escapando à mortandade o dos israelitas. Este milagre foi diretamente operado pela mão de Deus, sem a intervenção de Arão, embora Moisés fosse mandado a Faraó com o usual aviso. Vi. Úlceras e tumores. (Êx 9.8 e seguintes.) 6: praga mostra que, da parte de Deus, tinha aumentado a severidade contra um monarca obstinado, de coração pérfido. E aparecia agora também Moisés como executor das ordens divinas - com efeito, tendo ele arremessado ao ar, na presença de Faraó, uma mão cheia de cinzas, caiu uma praga de úlceras sobre o povo. Foi um ato significativo. A dispersão de cinzas devia recordar aos egípcios o que eles costumavam fazer no sacrifício de vítimas humanas, concorrendo o ar, que era também uma divindade egípcia, para disseminar a doença. 7: A saraiva. (Êx 9.22 e seguintes.) Houve, com certeza, algum intervalo entre esta praga e a do nº 6, porque os egípcios tiveram tempo de ir buscar mais gado à terra de Gósen, onde estavam os israelitas. É também evidente que os egípcios tinham por esta ocasião um salutar temor do Deus de israel, e a tempo precaveram-se contra a terrível praga dos trovões e da saraiva (Êx 9.20). 8: os gafanhotos. Esta praga atacou o reino vegetal. Foi um castigo mais terrível que os outros, porque a alimentação do povo constava quase inteiramente de vegetais. Nesta ocasião os conselheiros de Faraó pediram com instância ao rei que se conformasse com o desejo dos mensageiros de Deus, fazendo-lhe ver que o país já tinha sofrido demasiadamente (Êx 10.7). Faraó cedeu até certo ponto, permitindo que somente saíssem do Egito os homens - mas mesmo isto foi feito com tão má vontade que mandou sair da sua presença a Moisés e Arão (Êx 10.7 a 11). Foi então que uma vez mais estendeu Moisés o seu braço à ordem de Deus, cobrindo-se a terra de gafanhotos, destruidores de toda a vegetação que tinha escapado da praga da saraiva. outra vez prometeu o monarca que deixaria sair os israelitas, mas sendo a praga removida, não cumpriu a sua palavra. 9: Três dias de escuridão. A praga das trevas mostraria a falta de poder do deus do Sol, ao qual os egípcios prestavam culto. Caiu intempestivamente a nova praga sobre os egípcios, havendo uma horrorosa escuridão sobre a terra durante 3 dias (Êx 10.21 e seguintes). Mas os israelitas tinham luz nas suas habitações. Faraó já consentia que todo o povo deixasse o Egito, devendo, contudo, ficar o gado. Moisés, porém, rejeitou tal solução. Sendo dessa força a cegueira do rei, anunciou a última e a mais terrível praga que seria a destruição dos primogênitos do Egito (Êx 10.24 a 11.8). Afastou-se Moisés irritado da presença de Faraó cujo coração estava ainda endurecido (Êx 11.9,10). 10:

A morte dos primogênitos. Foi esta a última e decisiva praga (Êx 11.1 e seguintes). E foi, também, a mais claramente infligida pela direta ação de Deus, não só porque não teve relação alguma com qualquer fenômeno natural, mas também porque ocorreu sem a intervenção de qualquer agência conhecida. Mesmo as famílias, onde não havia crianças, foram afligidas com a morte dos primogênitos dos animais. os israelitas foram protegidos, ficando livres da ação do anjo exterminador, pela obediência às especiais disposições divinas.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Salmos 138.8


"O que a mim me concerne o SENHOR levará a bom termo.” (Salmos 138.8)

A confiança que o salmista expressou nestas palavras era divina. O salmista não disse: “Tenho graça suficiente para aperfeiçoar o que a mim me concerne. Minha fé é tão firme que não vacilarei; meu amor é tão ardente que jamais se esfriará; minha determinação é tão firme que nada a abalará”. Não, a dependência do salmista estava apenas no Senhor.

sábado, 19 de maio de 2018

O que faz Jesus exultar?

O que faz Jesus exultar
Versículo do dia: Naquela hora, exultou Jesus no Espírito Santo e exclamou: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. (Lucas 10.21)

Esse versículo é uma das únicas duas passagens nos evangelhos onde se diz que Jesus se alegrou. Os setenta discípulos tinham acabado de voltar de suas jornadas para pregação e relataram seu sucesso a Jesus.

Lucas escreve no versículo 21: “Naquela hora, exultou Jesus no Espírito Santo e exclamou: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado”.




Observe que os três membros da Trindade se alegram aqui: Jesus está se alegrando; mas é dito que ele está se alegrando no Espírito Santo. Eu considero que isso signifique que o Espírito Santo está enchendo-o e movendo-o a se alegrar. Depois, no fim do versículo, é descrito o agrado de Deus Pai. A NVI o traduz como: “Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado”.

Ora, o que fez toda a Trindade se alegrar juntamente nesta passagem? É o amor livre e eletivo de Deus em esconder coisas da elite intelectual e revelá-las aos pequeninos. “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos”.

E o que o Pai esconde de alguns e revela a outros? Lucas 10.22 responde: “Ninguém sabe quem é o Filho, senão o Pai”. Assim, o que Deus Pai deve revelar é a verdadeira identidade espiritual do Filho.

Quando os setenta discípulos voltam de sua missão evangelística e dão seu relatório a Jesus, ele e o Espírito Santo se regozijam de que Deus Pai, escolheu, de acordo com sua boa vontade, revelar o Filho aos pequeninos e escondê-lo dos sábios.

A questão não é que existam apenas certas classes de pessoas escolhidas por Deus. A questão é que Deus é livre para escolher os candidatos menos prováveis ​​para a sua graça.

Deus contradiz o que o mérito humano poderia ditar. Ele esconde dos sábios e revela aos mais desamparados e incapazes.

Quando Jesus vê o Pai livremente

iluminando e salvando as pessoas cuja única esperança é a livre graça, ele exulta no Espírito Santo e se deleita na eleição do seu Pai.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Como posso me tornar um cristão?


Um homem na cidade grega de Filipos fez uma pergunta bastante parecida a Paulo e Silas. Sabemos de pelo menos três coisas sobre esse homem: ele era um carcereiro, era pagão e estava desesperado. Ele estava às margens de cometer suicídio quando Paulo o interrompeu. E foi nesse instante que esse homem perguntou: “O que devo fazer para que seja salvo?” (Atos 16:30).

O fato de que fez essa pergunta mostra que reconhecia sua necessidade de salvação—ele via apenas morte para si mesmo, e sabia que precisava de ajuda. O fato de que faz tal pergunta a Paulo e Silas mostra que acreditava que eles tinham a resposta.

A resposta vem de forma simples e rápida: “Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e tua casa” (verso 31). O resto da passagem mostra que o homem acreditou na mensagem e se converteu. Sua vida começou a demonstrar a diferença daquele dia em diante.

Note que a conversão desse homem foi baseada em fé (“Crê”). Ele tinha que confiar em Jesus e nada mais. Ele acreditou que Jesus era o Filho de Deus (“Senhor”) e o Messias que tinha cumprido as Sagradas Escrituras (“Cristo”). Sua fé também incluía uma crença em que Jesus tinha morrido por seu pecado e ressuscitado, pois essa era a mensagem que Paulo e Silas estavam pregando (veja Romanos 10:9-10 e 1 Coríntios 15:1-4).

“Converter-se” significa literalmente “voltar-se”. Quando nos voltamos em direção a alguma coisa, estamos ao mesmo tempo nos voltando contra outra coisa. Quando nos voltamos a Jesus, precisamos nos voltar contra o pecado. A Bíblia chama esse processo de voltar-se contra o pecado de “arrependimento” e o processo de voltar-se a Jesus de “fé”. Então, arrependimento e fé complementam um ao outro. Os dois são mencionados em 1 Tessalonicenses 1:9: “deixando os ídolos, vos convertestes a Deus”. Um Cristão vai deixar para trás seus caminhos anteriores e qualquer coisa pertencente à religião falsa como resultado de sua conversão genuína ao Cristianismo.

Explicando de forma simples, para converter-se ao Cristianismo é necessário acreditar que Jesus Cristo é o Filho de Deus que morreu pelos seus pecados e ressuscitou. Você precisa concordar com Deus sobre ser um pecador que precisa de salvação, e precisa confiar em Jesus – e só nEle – para salvá-lo. Ao voltar-se contra o pecado em direção a Cristo, Deus promete salvá-lo e dá-lo o Espírito Santo, o qual vai fazer de você uma nova criatura.

O Cristianismo, em essência, não é uma religião. O Cristianismo, de acordo com a Bíblia, é um relacionamento com Jesus Cristo. O Cristianismo é Deus oferecendo salvação a qualquer um que acredita e confia no sacrifício de Jesus na cruz. A pessoa que se converte ao Cristianismo não está trocando uma religião por outra. Converter-se ao Cristianismo significa receber o presente que Deus oferece e começar um relacionamento pessoal com Jesus Cristo que resulta em perdão dos pecados e eternidade no Céu depois da morte.

Você deseja converter-se ao Cristianismo por causa de tudo que leu neste artigo? Se sua resposta for sim, encontre a seguir uma simples oração que você pode oferecer a Deus. Fazer essa oração, ou qualquer outra oração, não vai salvá-lo. Só sua confiança em Cristo pode salvá-lo de seu pecado. Essa oração é apenas uma forma de expressar a Deus sua fé nEle e de agradecer a Ele pela provisão para a sua salvação. "Deus, sei que tenho pecado contra Ti e que mereço punição. Entretanto, Jesus carregou sobre Si a punição que mereço, para que por fé eu pudesse ser perdoado. Coloco minha confiança em Ti para salvação. Obrigado por Tua maravilhosa graça e perdão – o presente de vida eterna! Amém!"

sábado, 12 de maio de 2018

Parábolas


PARÁBOLA
É o desenvolvimento de uma comparação de dois termos, resultando numa narrativa. Por exemplo, a comparação "A palavra de Deus é como a semente" foi desenvolvida na parábola do semeador. A parábola é uma historieta inventada, mas baseada em fatos corriqueiros da vida. Como na comparação, assim também na parábola os termos devem ser tomados no sentido próprio. Na parábola, porém, o confronto não se verifica entre dois termos, e sim entre duassituações. É desse confronto que se deve tirar o ensinamento, fim principal da parábola. 

Parábolas de Jesus: 
 

Administrador infiel: Lc 16,1-13.
Amigo importuno: Lc 11,5-8.
Avarento insensato: Lc 12,16-21.
Bodas do filho do rei: Mt 22,1-14.
Bom Pastor: Jo 10,1-16.
Bom samaritano: Lc 10,30-37.
Casa sobre rocha: Mt 7,24-27; Lc 6,47-49.
Cem moedas de prata: Lc 19,11-26.
Dez virgens: Mt 25,1-13.
Dois devedores: Lc 7,41s.
Fariseu e o cobrador de impostos: Lc 18,9-14.
Fermento: Mt 13,33; Lc 13,20s.
Figueira estéril: Lc 13,6-9.
Filho fingido: Mt 21,28-32.
Filho pródigo: Lc 15,11-32.
Grande ceia: Lc 14,16-24.
Grão de mostarda: Mt 13,31s; Mc 4,30-32; Lc 13,18-21.
Grão de trigo: Jo 12,24.
Joio entre o trigo: Mt 13,24-30.36-43.
Juiz iníquo: Lc 18,1-8.
Lavradores homicidas: Mt 21,33-46; Mc 12,1-12; Lc 20,9-19.
Moeda perdida: Lc 15,8-10.
Ovelha extraviada: Mt 18,12-14; Lc 15,1-7.
Pai de família: Mt 13,52.
Pérola preciosa: Mt 13,45s.
Rede de pesca: Mt 13,47-50.
Rei que vai guerrear: Lc 14,31-33.
Rico avarento e o pobre Lázaro: Lc 16,19-31.
Roupa velha: Mt 9,16; Mc 2,21; Lc 5,36.
Semeador: Mt 13,1-9.18-23; Mc 4,3-20; Lc 8,4-15.
Semente que cresce: Mc 4,26-29.
Servo cruel: Mt 18,23-35.
Servos inúteis: Lc 17,7-10.
Servos vigilantes: Mt 24,42-51; Lc 12,35-48.
Talentos: Mt 25,14-30.
Tesouro no campo: Mt 13,44.
Torre a ser construída: Lc 14,28-30.
Trabalhadores na vinha: Mt 20,1-16.
Videira e ramos: Jo 15,1-8.
Vinho novo: Mt 9,17; Mc 2,22; Lc 5,37-39.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Honra teu pai e tua mãe

Honre seu pai e sua mãe
Êxodo 20 nos dá os Dez Mandamentos que Deus deu ao povo de Israel. O quinto (Êxodo 20:12) é sobre os pais:

Êxodo 20:12 
“Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá.”

Deus mandou que o povo de Israel HONRASSE seus pais e mães. O que “honra teu pai e tua mãe” significa? Aqui está como um comentarista define isso:

“Esse era um plano ordenado por Deus, escrito com sua própria mão, e foi entregue por Moisés a eles; era de natureza moral, e de obrigação eterna: é para ser entendido, não simplesmente como uma elevada estima que os filhos deveriam ter em relação aos seus pais, ou o uso de uma linguagem e gestos respeitosos diante deles, nem apenas uma alegre obediência a ser cedidas a eles; mas também de honrá-los com sua substância, alimentação, vestimenta, e os suprindo com as necessidades da vida, quando eles estiverem em necessidade dos mesmos; que é, porém serviço razoável deles, por todo o cuidado, despesa e problemas que eles tenha tido em trazê-los neste mundo” (Exposição de toda a Bíblia de John Gill, Dr. John Gill 1690-1771)

Honrar seus pais envolve elevada estima, reverência e apoio. Isso significa que você estará lá para eles quando houver a necessidade e que vocês cuidam deles com seu serviço, apoio, dinheiro, visitas e etc.

Honrando seus pais e promessas associadas com isso
Em contraste com os outros mandamentos, onde nenhuma promessa específica está ligada diretamente a eles, Deus, ao dar este mandamento, também adicionou uma promessa específica. Como ele disse, “honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá”. Mas Ele não para ali. Deuteronômio 5:16 afirma o mesmo mandamento mas com uma promessa adicional anexado a ele:

Deuteronômio 5:16 
“Honra a teu pai e a tua mãe, como o SENHOR teu Deus te ordenou, para que se prolonguem os teus dias [promessa 1], e para que te vá bem na terra que te dá o SENHOR teu Deus[promessa 2].”

Paulo está repetindo o mandamento em Efésios 6:2-3:

“Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.”

Paulo diz que esse é o “primeiro mandamento com promessa”. O primeiro mandamento que Deus deu e que continha uma promessa era o mandamento de honrar nossos pais! É realmente uma grande promessa! Você viverá muito tempo sobre a terra e te irá bem! Você quer viver muito tempo sobre a terra? Você quer ficar bem? Bem, aqui está para você: honre seus pais e é isso que vai acontecer!

Honrar seus pais: a visão de Jesus
Como no caso dos outros mandamentos, assim também como honrar os pais, Deus diz o que aconteceria se alguém não guardasse este mandamento. Jesus resumiu em Marcos 7 tanto o mandamento e o que, de acordo com este mandamento, aconteceria se não guardar:

Marcos 7:10 
“Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e quem maldisser, ou o pai ou a mãe, certamente morrerá.”

O verbo “maldizer” aqui é o verbo grego “kakologeo” que significa “falar mal”. Quem quer que falasse mal contra seu pai ou mãe era condenado à morte. Para ver um exemplo de não honrar os pais, continue abaixo com a passagem de Marcos:

Marcos 7:11-13 
“Vós, porém, dizeis: Se um homem disser ao pai ou à mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor; Nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe, Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.”

A palavra “Corbã” é a palavra hebraica que significa “oferta a Deus”. Esta palavra é usada em Levítico 1:2, por exemplo, onde diz:

Levítico 1:2 
“Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando algum de vós oferecer oferta [Corbã] ao SENHOR, oferecerá a sua oferta de gado, isto é, de gado vacum e de ovelha.”

A palavra oferecer aqui é a palavra Corbã que o Senhor também usou para falar daqueles judeus que não honraram seus pais. Em essência, o que esses judeus estavam dizendo aos seus pais era “tudo que vocês poderiam se beneficiar de mim, minha propriedade, minha renda, é Corbã dedicado a Deus e eu não posso dar isso a vocês. Isso era um voto que eles costumavam fazer para evitar dar aos seus pais. Eles fizeram um voto dedicando tudo para Deus e, portanto, eles podiam alegar que nada tinham para apoiar e logo, nenhuma obrigação para tal apoio em relação a seus pais. Como Barnes explica:

“Se ele tinha uma vez dedicado sua propriedade e dito que era “Corbã” ou uma oferta a Deus – isso não poderia ser apropriado para o apoio dos pais. Se os pais eram necessitados e pobres e se dirigissem ao filho em busca de assistência, e o filho respondesse, embora irritado, “É dedicado a Deus; essa propriedade que vocês precisam, e por qual vocês poderiam estar aproveitando de mim é “Corbã” – Eu dei isso a Deus;” os judeus diziam que a propriedade não podia ser retirada e o filho não tinha obrigação de ajudar aos pais com ela. Ele tinha feito uma coisa mais importante ao oferecê-la a Deus. O filho estava livre. Ele não poderia ser requerido para fazer alguma coisa por seu pai depois daquilo. Assim, ele poderia em um momento se livrar da obrigação de obedecer ao seu pai ou mãe» (Notas de Albert Barnes na Bíblia, Albert Barnes (1798-1870))

Nosso Senhor Jesus Cristo condenou o uso da desculpa do “Corbã” – oferta a Deus – para evitar o auxílio aos pais. Obviamente para ele honrar aos pais era algo muito importante, tão importante quanto foi para Deus quando listou isso nos 10 mandamentos.

Honrando seu pai e mãe: Conclusão
É mandamento de Deus honrar nossos pais com tudo que essa honra pode incluir. O mandamento de honrar nossos pais é o primeiro mandamento com promessa e realmente uma grande promessa: Viver por muito tempo sobre a terra e estar bem com você! A maioria das pessoas não vai querer mais que isso! Bom, essa é a promessa! Embora, não é incondicional! É condicional e será concedida para aqueles que honrarem seus pais. O mandamento de honrar nossos pais era tão importante o que falasse mal de seus pais morreria. Sim, hoje vivemos sob a era da graça, mas o mandamento do Senhor e Sua promessa estão aí. E o desafio está aí para nós também:

Efésios 6:2-3 
“Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.”

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Como tornar-se um filho de Deus


"Mas, a todos quantos o [Jesus] receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (João 1:12).

"Você precisa nascer de novo"
Quando visitado por um líder religioso chamado Nicodemos, Jesus não imediatamente o assegurou de que ia ao céu. Ao invés, Cristo disse: "Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3).

A primeira vez que uma pessoa nasce, ela herda a natureza pecaminosa que resulta da desobediência de Adão no Jardim do Éden. Ninguém tem que ensinar uma criança a pecar. Ela já naturalmente segue seus desejos de fazer o errado, os quais a levam a cometer pecados como mentir, roubar e odiar. Ao invés de ser um filho de Deus, a criança é na verdade um filho da desobediência e ira.

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar [Satanás], do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Efésios 2:1-3).

Como filhos da ira, merecemos ser separados de Deus no inferno. Felizmente, a passagem continua: “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, -pela graça sois salvos-” (Efésios 2:4-5).

Receba a Jesus
"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (João 1:12).

Esta passagem explica claramente como tornar-se um Filho de Deus. Precisamos receber Jesus através da fé nEle. O que precisamos acreditar sobre Jesus?

Primeiro, precisamos reconhecer que Jesus é o eterno Filho de Deus que se tornou homem. Nascido do poder do Espírito Santo, pela virgem Maria, Jesus não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Então, Ele é chamado de segundo Adão (1 Coríntios 15:22). Enquanto que a desobediência de Adão trouxe a maldição do pecado ao mundo, a vida perfeita de Cristo pode cobrir as nossas transgressões. Nossa resposta deve ser de nos arrepender (voltar-nos contra o pecado), confiando em Sua vida perfeita para nos purificar.

Segundo, precisamos ter fé em Jesus como Salvador. O plano de Deus foi de sacrificar o Seu Filho perfeito na cruz para pagar pela punição que merecemos pelo nosso pecado: a morte. A morte de Cristo liberta a todo aquele que O recebe da penalidade e do poder do pecado.

Finalmente, precisamos seguir a Jesus como Senhor. Depois de fazer de Cristo o Vitorioso sobre o pecado e a morte, Deus deu a Ele toda autoridade (Efésios 1:20-23). Jesus guia todos que O recebem; Ele vai julgar a todos que O rejeitam (Atos 10:42).

Porque a graça de Deus nos leva ao arrependimento e fé no Salvador e Senhor, somos nascidos de novo para uma nova vida como filhos de Deus. Apenas aqueles que recebem a Jesus – não apenas um conhecimento intelectual sobre Ele, mas realmente dependendo dEle de coração para a salvação, submetendo-se a Ele como Mestre, e amando a Ele como o tesouro supremo – tornam-se filhos de Deus.

Torne-se um filho de Deus
"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1:12-13).

Assim como não tivemos influência alguma sobre o nosso nascimento a este mundo, não podemos fazer nada que causaria o nosso nascimento à família de Deus, nem através de boas obras, nem por invocar uma fé qualquer. Como o verso acima diz: Deus é quem “nos deu o poder” de acordo com a sua vontade graciosa. “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus” (1 João 3:1). Por causa disso, o filho de Deus não tem nada do que se orgulhar, mas se vangloria apenas no Senhor (Efésios 2:8-9).

Uma criança cresce e se parece com os seus pais. Igualmente, Deus quer que Seus filhos tornem-se mais e mais como Jesus Cristo. Apesar de que apenas no céu seremos perfeitos, um filho de Deus não vai habitualmente pecar sem se arrepender. “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão” (1 João 3:7-10).

Não se engane; um filho de Deus não pode ser “renegado” por pecar. Entretanto, alguém que “pratica” o pecado (quer dizer, consistentemente desfruta do pecado sem se preocupar em viver de uma forma que agrade a Deus) revela que nunca nasceu de novo. Jesus falou a tais pessoas: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhes aos desejos” (João 8:44). Os filhos de Deus, por outro lado, não mais desejam a gratificação do pecado, mas sim conhecer, amar e glorificar ao seu Pai.

A recompensa de ser um filho de Deus é imensurável. Como filhos de Deus, fazemos parte de Sua família (a igreja), temos como promessa um lar no céu e recebemos o direito de nos aproximar de Deus em oração como o nosso Pai (Efésios 2:19; 1 Pedro 1:3-6; Romanos 8:15).

Responda ao chamado de Deus de se arrepender dos seus pecados e acreditar em Cristo. Torne-se um filho de Deus hoje mesmo!

domingo, 6 de maio de 2018

A escolha de Davi


E disse Davi a Joabe e aos maiorais do povo: Ide, contai a Israel desde Berseba até Dã; e trazei-me a conta, para que saiba o número deles.

(1 Crônicas 21.2)

Até servos de Deus, se não vigiarem, serão usados pelo inimigo. Isso ocorreu com o rei Davi, quando sentiu que deveria contar o povo. Essa atitude pareceu má aos olhos dos homens que andavam com o Senhor, mas, mesmo tendo sido aconselhado, ele permaneceu firme em sua decisão. O preço pago foi alto por ter feito o recenseamento. Ele se arrependeu, mas sem antes ver o custo de sua tola decisão. Cuidado para não ser guiado por Satanás!

Devemos ouvir os que andam perto de Deus, pois eles são usados de modo claro. Quando falam, dá para perceber a autoridade no timbre da voz. A pessoa que age inspirada pelo diabo até sente que a sua atitude é errada, porém insiste nela. Se você conversar com alguém que pecou, ele dirá que, na primeira vez, tremia dos pés à cabeça, mas, depois, tudo parecia normal.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

João 17.15

"Não peço que os tires do mundo.” (João 17.15)

Para todos os crentes, a ida ao lar, a fim de estarem com Jesus, no tempo determinado por Deus, será um acontecimento bendito e feliz. Em apenas alguns anos, os soldados de Cristo que agora estão lutando o bom combate da fé (ver 1 Timóteo 6.12) terminarão o seu conflito e entrarão no gozo de seu Senhor.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

O que agrada a Deus?


A fé agrada a Deus porque pela fé em Jesus podemos ser salvos. Deus nos ama e quer nos salvar. Quando confiamos em Deus mostramos que não rejeitamos Seu amor.